terça-feira, 8 de setembro de 2009

Canto para pedestais

Eles me querem condensado
e eu me quero pior que isto.
eu me quero pior que eles.
porque me quero violento e eles o pacifico.

Escrevo com raiva e penso ainda pior que isto
quero me esmurrar todo pra ver se caibo
na caixa do meu próprio desejo
mas eu escorro, sempre
no fundo e raso
gosto disso.

aos interessados: ainda tenho pena!
só do que não sou eu
vitimizem-se longe de mim.
Não suporto ouvir nem meu próprio choro.
Troco de face feito um gatilho
que da arma cinza e pesada solta uma flor!

aos atrasados: o barco partirá comigo.
As minhas sirenes serão mudas .
As minhas sereias desafinadas, espantalhas de medusas!

Se virem de longe minhas mãos acenando
deêm um banho de mar para acordar suas ingenuidades.
Comemoro a fato de ter tido coragem para mentir as horas.
E, finalmente, ir só.
Forcei um atraso. A hora equivocada era um não-convite.
“-Cheguei tarde! ", um lamentaria..
E parto satisfeito olhando o cais cheio...
Gritaria com voz de lavadeira:
“Para mim tu nunca vieste, porque convidei apenas o teu equivoco!"

Aos que me chamam de egoísta:
sou o  multiplicador que conheço:
por saber pouco.
agora , se é para partilhar
comungem longe de mim
detesto ver a alegria dos outros quando dividem as migalhas entre si e pelo chao
porcos afarinhados!
Alegram-se por essa caridade ?
obrigada pela culpa ?
enquanto escondem o pão no alto
da vista daqueles que são suspeitos.
Porque cheiram como vocês!

um egoista suscita -ismos
porque ama o singular

egocêntrico?
orbitando em mim, queimo-me menos
do que guardando a luz do sol nos meus poros
pela frente e depois pelo verso.
Depois ainda quando estou bem negro,
(a coloração indivisivel da noite e do lago)
rodo, danço, dissipo o calor do que há em minhas poeiras-lodo!
Mas os tolos, sempre friolentos
- certa necessidade de abrigo-
oportunamente gostam.
Oportunamente!
Quando descobrem que o quente lhe dá mais
do que esses arrepios chamados de vontade!

Egocentrífugo! E posso sê-lo!
Querem formas?  Massa!
Querem trabalho?  O cio.

Aos que brincam com a minha amizade:
estão voces mais vulneráveis ainda.
Estão perto!
Embora as armações sejam tortas
-pois o afeto assim capta o maior abandonado-
as lentes são afiadas. E de grau.

Que raiva essa mais feliz!
Confia e sorri.
Branda densidade magmática!
Uma senhora que era puta
mas nunca prostituta, nunca se prostrava!
Cristalizar essa raiva?
Seria congelar orvalhos e colecioná-los!
Quando a graça é a grama molhada...
O matinal.

Minha raiva é do vespertino tardio
do horror à buzina do pão e do sonho
E se uns temem palhaços,
eu temo pipoqueiros das saídas escolares!


querem dados os tecnonarcisistas?
dardos lhes atiro no espelho

Sorrio, gosto de sorrir
gostando ou não de você
gosto antes daquilo que nos perpassa
Por quê a relação haveria de ser você?
A relação em si me apraz
sou linhas, linhas!
Sorrio, sorrio confortável
a maciez letárgica que dá dor nas costas.

Não irei mas sanear pensamentos
em nome do asséptico
nem desligar meu curto circuito
entre volume e superfície.

Quero as minhas cadeias de pensamento!
Derreter grades e forjar pedestais-plataformas
para voar, voar!



2 comentários:

  1. eu aaaaaaaaamooooo essa vontade de potência!!!

    ResponderExcluir
  2. você, sempre, nada menos do que genial!

    to com saudade de você!!

    ResponderExcluir